Adeus, hiperidrose!

Toxina botulínica é uma das grandes aliadas para tratar a doença do suor excessivo

por Isabella Grossi

Quando o organismo produz água para eliminar calor e regular a temperatura corporal, nós suamos. Nada mais natural, certo? Nem sempre. A sudorese excessiva, provocada pela hiperatividade das glândulas, está associada aos quadros de hiperidrose, doença que afeta 3% da população. Ela aparece na infância, adolescência ou idade adulta e pode atingir áreas específicas ou se manifestar de forma generalizada. Nesse caso, normalmente, em decorrência de outra condição médica, como alguns tipos de câncer, doenças infecciosas, doenças endócrinas ou uso de alguns medicamentos. Além de dificultar atividades corriqueiras, tais como um aperto de mãos ou um abraço — uma vez que, na hiperidrose focal, mãos, pés e axilas são as regiões mais afetadas, seja por herança genética, seja por fundo emocional —, a condição compromete a qualidade de vida, interferindo no lazer, no trabalho e no convívio social. “O suor não tem cheiro, mas, em excesso, ajuda na proliferação de bactérias, causando um odor desagradável”, explica a dermatologista Tathya Taranto. Segundo ela, o tratamento varia de acordo com a gravidade. “Pode ser tópico, sistêmico ou cirúrgico, para a remoção das glândulas sudoríparas ou da cadeia simpática”, diz. Atualmente, no entanto, a terapêutica mais utilizada é a toxina botulínica, que surge como uma alternativa segura e eficaz ao suor excessivo, detectado por meio de um teste com tintura de iodo, seguido da aplicação de amido. Para isso, os pacientes devem descontinuar o uso de antitranspirantes ou outros tratamentos tópicos durante cinco dias.

Saiba tudo sobre o procedimento:

  • Antes de aplicar a toxina botulínica, é necessário demarcar a área afetada.
  • Com as regiões acometidas em destaque, começam as injeções. Geralmente, são introduzidas de dez a vinte injeções espaçadas entre 1 e 2 centímetros.
  • A dor costuma ser mínima e não há efeitos colaterais nem restrições na rotina após o procedimento.
  • A toxina botulínica bloqueia o estímulo do suor junto às glândulas sudoríparas, e a resposta é evidente a partir de sete dias, com efeito máximo em até duas semanas.
  • A duração do tratamento varia entre seis e oito meses, podendo chegar a um ano. Recomenda-se a manutenção.

DICA DO ESPECIALISTA

O procedimento deve ser feito trinta dias antes do casamento, no mínimo, e é indicado, também, a homens e mulheres que não sofrem de suor excessivo, mas querem se sentir mais seguros e confortáveis no grande dia.

Deixe um comentário

EDIÇÃO 2017

Natália Guimarães - A modelo e apresentadora revela os cuidados com a pele no dia a dia e conta, em primeira mão, os planos para o casamento.

Tire suas dúvidas, envie uma mensagem.

Todos os direitos reservados a Tathya Taranto 2016. Desenvolvido por Agência Salt.